terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Arvores Frutiferas por Enxertia


 Arvores Frutiferas Produzidas por Enxertia

A pesquisa no Brasil na área agrícola tem provado que o Brasil não fica aquem de nenhum pais nesta areá.
Esse simples boletim mostra que a aceleração da produção de frutas e outros alimentos pode ajudar muito no fim da fome e falta de alimentos no Planeta.
Temos o exemplo de nossa região , Tupã -Sp , muitas cidades tem arvores frutíferas  a beira da rodovia e dentro da cidade , a disposição de quem quiser.
Creio que em nosso pais tenhamos dezenas de exemplo parecidos , isto é ninguem passa fome , mesmo que tenha que comer apenas alguns tipos de frutas todos os dias .
A tecnologia tem ajudado cada vez mais a qualidade de vida de nosso planeta .Um tema muito falado ultimamente é sobre a clonagem.Por isso para para pensar quanto é importante ter uma arvore que demoraria anos para produzir ter frutos em apenas um anos.
De um simples galho faremos uma outra arvore com a mesma idade ma arvore mãe.
Leia esse estudo da Esalq de Piracicaba:

Mudas frutíferas por enxertia.


A enxertia é um método de propagação que consiste em unir partes de plantas, de tal maneira, que continuem seu crescimento como uma só planta. A parte superior que formará a copa da nova planta recebe o nome de enxerto ou cavaleiro e a parte inferior que formará o sistema radicular recebe o nome de porta-enxerto ou cavalo.
Cada uma das partes possui suas
características próprias. O porta-enxerto tem a função de dar suporte mecânico à planta, retirar água e nutrientes do solo, e em muitos casos beneficiar a copa pela resistência a pragas e doenças de solo, seca ou a solos encharcados. O enxerto ou copa é responsável pela fotossíntese que irá alimentar toda a planta para a produção.
A enxertia deve ser realizada para
propagar espécies que não podem ser facilmente multiplicadas por outros métodos, para obter benefícios do porta-enxerto, mudar a cultivar copa em plantas adultas (sobreenxertia) ou substituir o porta-enxerto (subenxertia). O sucesso da cicatrização entre as partes após a prática da enxertia dependerá da espécie que se estará trabalhando; da habilidade do enxertador; da atividade fisiológica do enxerto e do porta-enxerto; das condições a que as plantas serão submetidas durante e após a enxertia; dos problemas de pragas e doenças e da incompatibilidade que possa ocorrer entre as partes.
É importante destacar também que existem alguns limites na enxertia relacionados à combinação copa e porta-enxerto. A maior facilidade da enxertia ocorre entre plantas de um mesmo clone aumentando o grau de dificuldade à medida que se enxertam diferentes cultivares da mesma espécie, diferentes espécies e diferentes gêneros. O sucesso da enxertia intergenérica (entre gêneros) é bastante limitado, sendo conhecidos alguns casos como o de pereira sobre marmeleiro, por exemplo. Em fruticultura não se conhece sucesso de enxertia entre plantas de famílias botânicas diferentes.
Para o sucesso da enxertia, seja qual for o tipo utilizado, é necessário que os tecidos meristemáticos (câmbios) tanto do enxerto como do porta-enxerto fiquem em contato.Por esta razão, deve-se sempre coincidir a casca do enxerto com a casca do porta-enxerto, em pelo menos um dos lados.

http://www.lpv.esalq.usp.br



Nenhum comentário:

Postar um comentário